Factos relevantes durante a nossa permanência no Ambriz


A primeira noite de Natal em 1970, debaixo de uma trovoada e chuva tropical; o mar em frente à secção era constantemente riscado por relâmpagos que a noite era dia; a missa do galo nessa noite e algumas peripécias antes, durante e depois.
A ceia teve bacalhau e batatas e figos e muitos bolos e bebidas oferecidas pelos civis do Ambriz.

A primeira noite de fim de ano, em que o jantar foi uma grande mariscada com lagosta comprada ao Bitoque a 19$00 o KG!

O acidente – com um tiro na mão – com o Balona (já falecido) que obrigou ao seu regresso à metrópole e que foi substituído pelo «maçarico» Rui do Porto.

Os 5 dias de prisão do nosso Comandante cumpridos na Tentativa; desobedeceu a uma ordem dum Capitão do quadro permanente, como forma de ir em defesa dos militares da Secção.

Os torneios de futebol de 5, em que após aprendizagem e treino, a Secção Radar foi campeã a partir de Abril de 1971, derrotando de forma inapelável todas as equipas militares e civis do Ambriz, bem como equipas de outras unidades que lá iam – ex. Comandos; durante um desafio com estes houve um furriel Comando que fracturou uma perna.

As caçadas nocturnas com o Inácio e outros militares a que se seguiam grandes almoçaradas nos dias seguintes com carne fresca de grande qualidade; chegamos a oferecer pacaças inteiras à sanzala, ou a vender outras para com o dinheiro comprarmos a cerveja.

As patuscadas com ostras apanhadas na lagoa e abertas em cima de chapas de bidões com fogueira por baixo; ostras com limão e gindungo.

O espectáculo de ilusionismo de um «actor e suas partenaires» que apareceu no Ambriz a que se seguiram durante a noite diversos episódios picarescos.

O Carnaval de 1972, em que a Secção organizou um desfile de mascarados pela rua principal.

E no fim o Espectáculo teatral e musical em Fevereiro de 1972, que a Secção ofereceu como despedida, no teatro do Clube a todos os militares e civis do Ambriz; a casa encheu até não caber mais ninguém, pois até nas janelas havia pessoas penduradas.
O programa, ensaiado durante dias e noites e com os parcos meios de que dispúnhamos (ajudou-nos o Administrador Geirinhas e o Batalhão da Tentativa), teve:
  • Declamação de poesia
  • A peça de Gil Vicente – Todo o Mundo e Ninguém
  • Uma comédia em 2 actos
  • E uma parte musical com fados, karaoke/playbak, canções, telejornal, eleição da miss Ambriz, grupo coral, etc.


Foi por isto e pelo comportamento dos elementos da Secção Radar, que no dia da nossa partida os civis incluindo os da sanzala, estavam ao longo das ruas e estrada a dizerem-nos adeus.

Sem comentários:

Enviar um comentário